Close

5 benefícios científicos do café para nossa saúde

Ele pode ser quente ou frio, consumido de dia ou à noite, no verão ou no inverno. A verdade é que para um cafezinho não há mal tempo e seu consumo tornou-se um importante hábito na vida de muitos brasileiros.

E como toda substância que ascende à posição de protagonista em nossas histórias, a cada dia que passa este grão é alvo de pesquisas e estudos para comprovação dos benefícios (ou não) de seu consumo.

O consumo do café por pessoa no Brasil bateu o recorde nos últimos anos e tornou-se o maior registrado desde 1965, segundo dados da ABIC (Associação Brasileira da Indústria do Café). Entre novembro de 2011 e outubro de 2012, o consumo per capita foi de 6,23 quilos de café em grão cru, o equivalente a quase 83 litros da bebida para cada brasileiro por ano. Já superamos a Itália, a França e os EUA.

Mas, e então, quais os mistérios que envolvem este licor de cor negra?

PREVENÇÃO AO CÂNCER DE FÍGADO

Tomar café diariamente pode protegê-lo de desenvolver a forma mais comum de câncer de fígado, segundo uma pesquisa da Universidade do Sul da Califórnia.

Os 179.890 voluntários foram acompanhados por até 18 anos para que os pesquisadores pudessem rastrear o consumo de café e seus estilos de vida. Quem bebia de uma a três xícaras por dia tinha uma chance 29% menor de ter o câncer em comparação com aqueles que bebiam menos de seis xícaras por semana.

Outro estudo realizado pelo Word Cancer Research Fund revela que, para cada xícara consumida por dia, há cerca de 14% menos risco de câncer de fígado, frequentemente associado ao abuso de álcool.

Esta pesquisa foi publicada após uma primeira edição desta mesma equipe, em 2013, que revelou que o consumo do café também estaria ligado.

FAZ BEM À MEMÓRIA

Uma pesquisa de cientistas da Universidade Johns Hopkins em Baltimore, Estados Unidos, concluiu que duas xícaras diárias de café podem fazer muito bem para a memória. Foram testados a memória de 160 voluntários durante 24 horas e constatou-se que aqueles que ingeriram comprimidos de cafeína tiveram melhor desempenho nos testes de memória do que os que consumiram o placebo.

Michael Yassa, líder do estudo, concluiu que a cafeína faz bem para a memória de longo prazo ao melhorar o processo de consolidação da memória.

Apesar dos resultados promissores, Yassa alerta para a ingestão excessiva da substância que pode levar a efeitos colaterais indesejados como insônia, nervosismo e alteração do ritmo cardíaco.

SALVA VIDAS

Um estudo publicado no British Medical Journal comprovou que motoristas que consomem café têm 63% menos chances de se envolver em acidentes do que aqueles que não ingeriram a substância.

Os cientistas acompanharam 1.047 motoristas que tinham como tarefa dirigir um caminhão carregado por 200 km. Os resultados mostraram que os motoristas que consumiram substâncias com cafeína tinham uma probabilidade 63% menor de dormir ao volante em comparação aos motoristas que não tomaram a bebida.

Comprovou-se que o café é estimulante e pode, por vezes, proteger o condutor de seu sono e salvar sua vida. Porém, os cientistas destacam que o efeito estimulante da cafeína não é duradouro e por isso não deve ser considerado um substituto ao sono.

TRAZ FELICIDADE

Uma pesquisa da Escola de Saúde Pública da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, associou o consumo do café (duas a quatro xícaras diariamente) com a redução de cerca de 50% do risco de suicídio em homens e mulheres.

Isso porque o café estimula o sistema nervoso central agindo como um antidepressivo ao aumentar a produção de neurotransmissores no cérebro, como serotonina, dopamina e noradrenalina.

Mas como todo remédio acompanha uma bula, aqui vai o alerta: esses dados são efetivos para pessoas sem histórico de depressão.

Apesar de diminuir o risco de suicídio, os cientistas recomendam que adultos deprimidos não tomem mais café, porque quando o consumo da substância é maior do que o habitual pode causar efeitos colaterais. Estes devem ser tratados e acompanhados por profissionais especializados!

PREVENÇÃO À DEPRESSÃO FEMININA

Uma pesquisa da Escola de Saúde Pública da Universidade de Harvard (HSPH) concluiu que mulheres que bebem café possuem menos chances de desenvolver a depressão. Segundo o estudo, o índice de manifestação da doença é 20% menor no grupo de mulheres que ingere quatro ou mais xícaras da bebida ao longo do dia.

Os pesquisadores estudaram 50 739 mulheres, com idade média de 63 anos. Elas estavam livres da doença quando o estudo começou em 1996.

Mas não se esqueça caro leitor: o café, como a cervejinha, deve ser consumido moderadamente, uma vez que também causa abstinência quando em excesso!

Entre os sintomas da intoxicação estão inquietação, nervosismo, excitação, rubor, desconforto gastrointestinal, espasmos musculares, confusão na fala, insônia e alteração do ritmo cardíaco. Quem exagerou no café e sofreu cinco ou mais desses sintomas pode estar com intoxicação!

Para aliviar o problema é preciso cortar o consumo, que também tem algumas complicações, como fadiga, dor de cabeça, dificuldade em se concentrar e depressão leve. Esses sintomas de abstinência da cafeína são transitórios e tendem a passar dentro de alguns dias.

 

E, além de tudo, promove a socialização

POR PATRÍCIA VAZ/ Saúde / elhombre

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *